quinta-feira, março 22, 2007

Dia Mundial da Água


Neste dia tão especial é de sugerir a visita a dois sites:

Depois da visita, até porque foi ontem o Dia Mundial da Poesia, alguns poemas sobre a água, Miguel Torga, para recordar que se irá este ano comemorar o centenário deste grande poeta, seguido de poesia de António Gedeão intitulada Lição sobre a Água:


Súplica

Agora que o silêncio é um mar sem ondas,
E que nele posso navegar sem rumo,
Não respondas
Às urgentes perguntas
Que te fiz.
Deixa-me ser feliz
Assim,
Já tão longe de ti como de mim.

Perde-se a vida a desejá-la tanto.
Só soubemos sofrer, enquanto
O nosso amor
Durou.
Mas o tempo passou,
Há calmaria...
Não perturbes a paz que me foi dada.
Ouvir de novo a tua voz seria
Matar a sede com água salgada.


Mar

Mar!
E é um aberto poema que ressoa
No búzio do areal...
Ah, quem pudesse ouvi-lo sem mais versos!
Assim puro,
Assim azul,
Assim salgado...
Milagre horizontal
Universal,
Numa palavra só realizado.


Lição sobre a água

Este líquido é água.
Quando pura
é inodora, insípida e incolor.
Reduzida a vapor,
sob tensão e a alta temperatura,
move os êmbolos das máquinas que, por isso,
se denominam máquinas de vapor.

É um bom dissolvente.
Embora com excepções mas de um modo geral,
dissolve tudo bem, bases e sais.
Congela a zero graus centesimais
e ferve a 100, quando à pressão normal.

Foi neste líquido que numa noite cálida de Verão,
sob um luar gomoso e branco de camélia,
apareceu a boiar o cadáver de Ofélia
com um nenúfar na mão.

2 comentários:

Margarida Marques de Sá disse...

Aproveitando este dia tão importante para todos os seres vivos(pena que muitos ignorem isso),estou lhe mandando a letra de uma música que retrata bem isso,não sei se já a conhece, se não,aí vai ela.
PLANETA ÁGUA de Guilherme Arantes.
Água que nasce na fonte serena do mundo
E que abre um profundo grotão
Água que faz inocente riacho e deságua na corrente do ribeirão
Águas escuras dos rios que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias e matam a sede da população
Águas que caem das pedras no véu das cascatas, ronco do trovão
E depois dormem tranqüilas no leito dos lagos, no leito dos lagos
Água dos igarapés,onde Iara, a mãe d'água é misteriosa canção
Água que o sol evapora,pro céu vai embora, virar nuvens de algodão

Gotas de água da chuva, alegre arco-iris sobre a plantação
Gotas de água da chuva, tão tristes,são lagrimas na inundação
Águas que movem moinhos são as mesmas águas que encharcam o chão
E sempre voltam humildes pro fundo da terra, pro fundo da terra
Terra planeta água
Terra planeta água
Terra planeta água

Espero que gostem.

Anónimo disse...

É muito bonito - obrigado...

Um dia destes vou publicá-lo no Blog.

Fernando Martins